domingo, 17 de julho de 2016

Teatro em movimento – a roda da fartura


Hoje encerramos o projeto Pai & Filho, pelo Programa Petrobras Distribuidora de Cultura, que buscou ocupar, com o maior número de atividades possíveis (apresentações, debates, oficinas e um fórum permanente de reflexão com um grupo de teatro convidado), o Centro-Oeste do Brasil (as cidades de Primavera do Leste/MT, Campo Grande/MS e Goiânia/GO), região menos atingida pelas circulações da Pequena Companhia de Teatro até aqui, pois só Cuiabá havia nos recebido, em 2012.
É o teatro que nos move, literalmente. Nos movimentamos durante uma década, em todas as direções; seguimos por via terrestre, aérea, fluvial; de carro próprio, de avião, de van, de balsa, de ônibus, de camionete, de carroça (sim, nossos cenários já viajaram de carroça algumas vezes), e colhemos os frutos desse trânsito no olhar de cada espectador, de cada garçom, de cada companheiro de luta, de cada cidadão.
Plateia em Campo Grande
Na região central não foi diferente. O Centro-Oeste se apresentou como um outro Brasil, dos muitos Brasis distintos que carregamos na nossa memória, basilar para a composição deste país plural, heterogêneo, multicultural, ambíguo, desigual; carregado de tanta potência e desperdiçado por tanta incompetência – política, pois a soma desses muitos Brasis demonstra que um poder não é capaz de aniquilar a soma das vontades de uma nação.
Aqui, goianienses, primaverenses, campo-grandenses nos ensinaram que Panelinha, Mojica de Pintado e Sobá são manjares incomuns, que toda cidade tem os taxistas que merece, que árvore dá sombra, que teatro pode ser um belo programa de fim de semana, que existe um maranhense em cada esquina, que o valor de um real varia; e nos relembraram que toda plateia merece apreço, seja de vinte ou de duzentas pessoas, pois, sempre haverá um espectador atento ao trabalho de uma companhia de teatro compromissada com a reflexão sobre o nosso país.   
Oficina em Primavera do Leste
É impossível não pensar nas pessoas que encontramos pelo caminho; nos produtores, assistentes, atores, diretores, assessores, amigas,  recepcionistas, alunos, técnicos, tradutores; nos grupos Faces Jovem, Anthropos, e Mercado Cênico a materializar a importância da troca de experiências; na quantidade de gente que resolveu dedicar sua vida ao teatro e seu entorno, e no quanto essa escolha pesa, para bem ou para mal.
O país só será nosso quando nos apropriarmos dele na sua totalidade. É o que tentamos fazer quando circulamos. Nos apropriar de cada sabor, de cada costume, de cada gesto, de cada dificuldade, de cada paisagem, de cada distância; nos sentirmos donos de cada parte que forma esse todo chamado Brasil.
Espetáculo em Goiânia
Quando parados, aprisionados na nossa aldeia, não conseguimos mensurar o quão importante é viajar, conhecer, entender, refletir; e chegamos a duvidar do poder que o teatro tem de provocar a reflexão das pessoas, de abrandar convicções cristalizadas, de dar concretude ao pensamento crítico, de abrir o diálogo, de redefinir parâmetros para a vida. O teatro é importante para vocês, para nós.
Hoje falo na terceira pessoa do plural, pois, se bem sabemos que como grupo somos a soma das nossas particularidades, como indivíduos somos a comunhão da nossa mais profunda intimidade, mesmo sem ter a menor consciência disso. E que venha a segunda etapa do SESC Amazônia das Artes!

6 comentários:

Bárbara Paiva disse...

Obrigada pelas reflexões que proporciona!
Que possamos circular, girar, voar... cada dia mais!

Luciana Duarte disse...

" Estou de volta pro meu aconchego trazendo na mala bastante saudade..." Sempre leio atenta as suas palavras Marcelo e sempre fico sem saber o que falar, escrever... não sou muito afeita a escrita, mas sou muita afeita a pequena Cia e por isso me arrisco nessas entrelinhas pra dizer BRAVO! BRAVISSIMO!Sempre nos ensinando!Amo!

Luciana Duarte disse...

" Estou de volta pro meu aconchego trazendo na mala bastante saudade..." Sempre leio atenta as suas palavras Marcelo e sempre fico sem saber o que falar, escrever... não sou muito afeita a escrita, mas sou muita afeita a pequena Cia e por isso me arrisco nessas entrelinhas pra dizer BRAVO! BRAVISSIMO!Sempre nos ensinando!Amo!

Jacqueline Lemos disse...

Viajar é conhecer, entender e refletir. Mas também é deixar-se por onde vai. Conquistem o país e aqueles que carecem vivênciar o fenômeno da teatralidade, por que o teatro é necessário e por que Felizes são os artistas que representam a sua aldeia, mas tornam o seu teatro universal. Feliz 10 anos.

TonySilvaAtriz disse...

Feliz com os dez anos de conquistas desta irmã, que deixou conhecimentos por onde passou e acumulou experiencias muito mais do que deixou.São novas capas que fortalecera o nosso fazer teatral e firmara o nosso caminho na luta de transformar consciências para um exercício de cidadania.

Marcelo Flecha disse...

Queridas Bárbara, Luciana, Jacqueline e Tony, são as diversas leituras que fazemos pela vida que nos trazem o conhecimento desejado. Continuemos lendo a vida, sempre!